fanzines de banda desenhada

quinta-feira, outubro 30, 2014

Fanzine de Editautor






 

 
 

 

Se um autor edita um fanzine com as suas próprias bandas desenhadas, estamos perante um autor-editor, ou seja, um editautor.

Na fanedição há numerosos casos de fanzines editados por desenhadores, que criam eles mesmos as bedês e que - devido à habitual recusa da parte das editoras em lhes aceitar a obra - decidem publicá-las às suas custas.

Assim acontece com o fanzine que aqui é mostrado. Quanto ao seu título, a forma como se apresenta suscita dúvidas.  

OS NED (Novo Estabelecimento Democrático) é o que imediatamente salta à vista, por estar no topo da capa (ou 1ª página), o que faz pensar que seja esse o título.

Mas na parte inferior do lado esquerdo, pode ler-se: 
Genesis Revista Portuguesa de Banda Desenhada.

Portanto, Genesis será, de facto, o título deste fanzine (*) e o autor das bandas desenhadas que o preenchem assina, em maiúsculas, J.J. MONSANTO, intitulando-se, na ficha técnica, proprietário e director.
Está omisso o nome do editor, mas trata-se obviamente da mesma pessoa, desdobrando-se em três funções.

Temos então o editautor J.J.Monsanto que, no editorial, diz o seguinte:

Cito:

Olá! Nós somos os NED. Fomos criados há uns anos pelo J.J.Monsanto para a revista "Opção".
Agora aqui estamos de novo republicados, nas páginas desta revista que é um autêntico mini-álbum.
Esta edição é limitada a 120exemplares, todos eles numerados e autografados pelo autor!

Fim de citação.

De facto, assim acontece com o meu, que tem o número 43, e se apresenta assinado por J.J.Monsanto.

Quanto ao conteúdo gráfico, o desenhador exprime-se através de um estilo minimalista e elegante, desenhando sempre três vinhetas (não quadriculadas) em cada prancha/página, dando-lhes sequência em especial através do decorrer do diálogo.

As duas jovens que personificam as personagens centrais, são elas os NED - afinal um acrónimo que se parece com um nome - travam diálogos com diferentes protagonistas, masculinos e femininos, e nesses diálogos perpassam preocupações sociais e humanas, mas sempre salpicadas de ironia. 

Num deles, logo no episódio da capa, uma jovem mostra-se entusiasmada com a leitura de Reich, porque ele é muito romântico.

E quando uma das "ned" lhe chama a atenção para o facto de Wilhelm Reich ser, isso sim, um duro lutador pela revolução sexual, a interlocutora, superficial, responde: "Pois! Mas eu salto as partes chatas!!"

Mais dois exemplos:

Diz um protagonista masculino, com aspecto "dandy", para uma "ned":

- Quando será que acabam com os bairros de lata?
Responde a "ned":
- Estou agradavelmente surpreendida! Não sabia que estava sensibilizado pelo tão sério problema que são os bairros da lata!
Esclarece o "dandy":
- Pois!... São inestéticos!!

Outra prancha:

Diz uma qualquer personagem feminina para uma "ned", numa sequência que decorre em três imagens/vinhetas (sem quadrícula): 

- Sabes? Pessoas como tu sempre com essas histórias de liberdade sexual irritam-me!
- Estou farta de te ouvir falar em liberdade sexual! Odeio-te...
- ... tu consegues levar isso à prática e eu não!!


Ficha técnica
Título: Genesis - Revista Portuguesa de Banda Desenhada
Tiragem: 120 exemplares
Características da edição: 20 páginas; dimensões: 21x14,8cm,
impressão a p/b em pequeno offset
Nº 1 - Dezembro de 1982
Local da edição: Amadora

Nota do bloguista:
- Apenas obtive este nº1, e o editor confirmou-me que de facto foi o único editado

(*) - Embora o editautor lhe chame revista, a verdade é que as suas características (editada por um amador, sem distribuição a nível nacional, e feita sem intuitos lucrativos) inserem-na na categoria de fanzine. 
-------------------------------------------------------------
J.J.Monsanto

Biobibliografia

João José Caldeira Monsanto Fonseca, 19 de Outubro de 1954, Lisboa.
É formado em Psicologia Educacional pelo ISPA-Instituto Superior de Psicologia Aplicada.
Frequentou cursos de Artes Gráficas e Design na ESBAL-Esola Superior de Belas Artes de Lisboa e no AR.CO-Centro de Arte e Comunicação Visual, como também a Escola de Teatro do Conservatório de Lisboa.
Trabalhou como desenhador publicitário para várias agências, mas a sua actividade mais frequente é a de psicoterapeuta e de especialista em Tarot.
Fez ilustração e bandas desenhadas curtas para os jornais República e Diário de Lisboa (neste último, no suplemento "A Mosca") nos inícios dos anos 1970.
Organizou, com Ilídio Salteiro, uma exposição de banda desenhada portuguesa na Parceria A.M.Pereira, em Outubro de 1974, e como complemento, ainda nesse ano, editou um zine com o título Fanzine, de número único.
Com desenhos do mesmo Ilídio Salteiro escreveu o argumento de "As Máquinas da Alegria", adaptando Ray Bradbury para o jornal humorístico Sempre Fixe (2ª série), onde J.J.Monsanto também publicou pequenas bandas desenhadas cómicas, com reflexos de Gotlib, sob o pseudónimo de "José Cotinelli". 
Para a revista Opção criou "Os Ned", que republicou, enquanto editautor, no fanzine Genesis-Revista Portuguesa de Banda Desenhada, com data de Dezembro de 1982.
Realizou mais bandas desenhadas para várias publicações: fanzine Ploc!, jornal Expresso, revistas O Coiso, Aquarius 25, e Mundo de Aventuras (5ª série) (*).
Para esta última, nomeadamente, escreveu alguns artigos sobre BD, tendo criado, nos anos 1990, uma página sobre o tema para a Internet, que mantém com Geraldes Lino. 

                                                  ***

(*) Mundo de Aventuras - Bandas desenhadas publicadas na 2ª Série (classificada erroneamente como 5ª Série, de 15.8.74 a 15.1.1987), com o título "Os Palhaços" nos nºs 439, 440, 441, 442, 467 e 447, entre Março e Dezembro de 1982, 

Texto quase totalmente baseado no "Dicionário dos Autores de Banda Desenhada e Cartoon em Portugal", de Leonardo De Sá e António Dias de Deus, e no livro "Mundo de Aventuras - Bibliografia Ilustrada das Bandas Desenhadas de Autores Portugueses (1949-1987), de Carlos Bandeiras Pinheiro

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial